Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Escritórios virtuais possibilitam redução de custos e análise prévia do mercado

A criação de novos empreendimentos pode ser favorecida pela opção de abrir as portas do negócio em um escritório sem custos fixos

Setor de escritórios virtuais cresce em média 10% ao ano no Brasil, de acordo com ANCNev

Abrir um novo negócio exige uma análise cuidadosa e geralmente os custos com aluguel de imóvel, compra de móveis e as diversas taxas para manter o espaço da empresa são empecilhos que podem impedir o sucesso do novo empreendimento. Fugindo dessa realidade, muitos empreendedores apostam nos escritórios virtuais para reduzir custos e se estabelecer no mercado.

A possibilidade de adiar as questões práticas que envolvem aluguel de espaço e compra de móveis também podem auxiliar o futuro empresário a avaliar o mercado antes de se comprometer com o investimento exigido pelo escritório real. “Embora negócios possam ser feitos em hotéis, restaurantes ou até mesmo em casa, é útil ter um endereço de referência, além disso os escritórios virtuais contam principalmente com o fator agilidade”, avalia Murilo Nogueira, mestre em metrologia para qualidade e inovação e sócio-diretor do Escritório Virtual Espaço 2D.

Nogueira destaca que reduzir os custos, utilizando os serviços de um escritório virtual, pode significar desde a recuperação mais rápida do investimento inicial até a possibilidade de praticar preços inferiores aos da concorrência, permitindo à empresa recém-formada abocanhar uma fatia maior do mercado. “Se a empresa vai vender algo que não é original e nem pioneiro no mercado, certamente vai enfrentar um mercado competitivo e por isso deve pensar em alternativas para reduzir custos”, analisa.

O setor de escritórios virtuais cresce, em média, 10% ao ano no Brasil e já são 480 escritórios em todo o País, segundo informações da Associação Nacional dos Centros de Negócios e Escritórios Virtuais (ANCNev). Com foco nesse setor desde 1994, a empresa Virtual Office dispõe, atualmente, de quatro unidades distribuídas em São Paulo e uma unidade que será inaugurada no Rio de Janeiro em outubro deste ano.





A empresa, que conta com uma carteira composta por 1,5 mil clientes ativos, tem crescido em média 15% ao ano com uma unidade nova a cada 18 meses, aproximadamente. “Este segmento tem sido muito procurado nos últimos três anos, quando o brasileiro começou a perceber a economia em torno de 60% em relação à montagem do próprio escritório”, ressalta Mari Gradilone, diretora do Virtual Office.

A empresa disponibiliza suas salas de reuniões de segunda a sábado e oferece preços variados conforme as horas utilizadas e o número de pessoas. “Para usar as salas são cobrados R$ 40 por hora, em salas de 4 até 16 pessoas, com no mínimo 2 horas de uso e mais 10% de serviço acrescido. Caso o cliente necessite de mais de 2 horas, fora dos horários convencionados, é cobrado meio período no valor de R$ 180 por 5 horas ou período integral no valor de R$ 300 por 10 horas. Aos sábados são cobrados R$ 70 por hora, R$ 320 por meio período e R$ 420 pelo período integral. Nas salas de reunião da unidade paulista, com capacidade para 16 pessoas, são cobrados R$ 450 pelo período integral e R$ 300 por meio período”, explica a diretora do escritório virtual.

Segundo Mari Gradilone, os profissionais liberais e advogados são os que mais procuram pelos serviços. As empresas estrangeiras e áreas de telecomunicações também integram a lista dos clientes mais assíduos da empresa. A empresária explica que o escritório virtual não oferece ambientes personalizados, mas garante espaços exclusivos. “Caso o cliente alugue uma sala por um mês ou por um ano, ele tem garantido o uso desta. O espaço se torna seu escritório permanente e, nestes casos, ele pode personalizar a sala ao seu gosto. Nas salas de reunião, por serem de uso comum, não é possível a personalização”, esclarece.

Para regulamentar seu funcionamento, os escritórios virtuais contam com uma legislação municipal na cidade de Santos (SP). A Lei Complementar de número 616, de 26 de dezembro de 2007, do prefeito João Paulo Tavares Papa, foi aprovada em sessão extraordinária pela Câmara Municipal.

O vereador Fábio Nunes, responsável pela criação da Lei, inspirou-se no exemplo da cidade de Barueri, na grande São Paulo, para defender a sua criação. “Checamos se a cidade de Santos tinha algum empreendimento que já praticava os serviços de acolher várias outras empresas no mesmo endereço e nos surpreendemos positivamente, pois encontramos escritórios aptos a prestar os serviços nos moldes dos virtuais”, diz o professor. “Com a divulgação dessa lei, prevemos um aumento na procura pelos serviços, a ampliação do mercado, a criação de novos postos de trabalho e uma maior arrecadação de impostos para a cidade”, avalia.

Contatos

Virtual Office: 0800559533 / www.virtualoffice.com.br

Escritório Virtual Espaço 2D: (21) 2195-1300 / www.espaco2d.com.br

A empresa, que conta com uma carteira composta por 1,5 mil clientes ativos, tem crescido em média 15% ao ano com uma unidade nova a cada 18 meses, aproximadamente. “Este segmento tem sido muito procurado nos últimos três anos, quando o brasileiro começou a perceber a economia em torno de 60% em relação à montagem do próprio escritório”, ressalta Mari Gradilone, diretora do Virtual Office.

A empresa disponibiliza suas salas de reuniões de segunda a sábado e oferece preços variados conforme as horas utilizadas e o número de pessoas. “Para usar as salas são cobrados R$ 40 por hora, em salas de 4 até 16 pessoas, com no mínimo 2 horas de uso e mais 10% de serviço acrescido. Caso o cliente necessite de mais de 2 horas, fora dos horários convencionados, é cobrado meio período no valor de R$ 180 por 5 horas ou período integral no valor de R$ 300 por 10 horas. Aos sábados são cobrados R$ 70 por hora, R$ 320 por meio período e R$ 420 pelo período integral. Nas salas de reunião da unidade paulista, com capacidade para 16 pessoas, são cobrados R$ 450 pelo período integral e R$ 300 por meio período”, explica a diretora do escritório virtual.

Segundo Mari Gradilone, os profissionais liberais e advogados são os que mais procuram pelos serviços. As empresas estrangeiras e áreas de telecomunicações também integram a lista dos clientes mais assíduos da empresa. A empresária explica que o escritório virtual não oferece ambientes personalizados, mas garante espaços exclusivos. “Caso o cliente alugue uma sala por um mês ou por um ano, ele tem garantido o uso desta. O espaço se torna seu escritório permanente e, nestes casos, ele pode personalizar a sala ao seu gosto. Nas salas de reunião, por serem de uso comum, não é possível a personalização”, esclarece.

Para regulamentar seu funcionamento, os escritórios virtuais contam com uma legislação municipal na cidade de Santos (SP). A Lei Complementar de número 616, de 26 de dezembro de 2007, do prefeito João Paulo Tavares Papa, foi aprovada em sessão extraordinária pela Câmara Municipal.

O vereador Fábio Nunes, responsável pela criação da Lei, inspirou-se no exemplo da cidade de Barueri, na grande São Paulo, para defender a sua criação. “Checamos se a cidade de Santos tinha algum empreendimento que já praticava os serviços de acolher várias outras empresas no mesmo endereço e nos surpreendemos positivamente, pois encontramos escritórios aptos a prestar os serviços nos moldes dos virtuais”, diz o professor. “Com a divulgação dessa lei, prevemos um aumento na procura pelos serviços, a ampliação do mercado, a criação de novos postos de trabalho e uma maior arrecadação de impostos para a cidade”, avalia.

Contatos

VAGNER FERNANDES DAVID | Pride Commerce | www.pridecommerce.com | 11 9766-8986 | 18 9781-2575

0 Comentario "Escritórios virtuais possibilitam redução de custos e análise prévia do mercado"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.