Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Crise financeira internacional atinge 63% das MPE brasileiras

por Agência Sebrae

Queda de demanda e crédito mais caro são os principais problemas apontados pelos empresários

A crise financeira internacional atingiu 63% das micro e pequenas empresas brasileiras. De cada 100 micro e pequena empresa, 63 tiveram ou ainda estão tendo dificuldades para lidar com os reflexos causados pela crise econômica mundial, como queda de demanda e crédito mais caro. Esses são os principais resultados da pesquisa 'Impacto da Crise Financeira Internacional nas MPE Brasileiras', que foi realizada entre março e maio de 2009 com 4,2 mil micro e pequenas empresas em todo o País pelo Sebrae em São Paulo.

Segundo Ricardo Tortorella, superintendente do Sebrae/SP, a crise internacional produz efeitos piores para as atividades que dependem de financiamento, caso da indústria e do agronegócio voltado para a exportação. “As atividades que dependem mais da renda do consumidor sentem menos os efeitos da crise como, por exemplo, os setores de comércio e o de serviços. Essa deve ser a tendência para todo o ano de 2009”, afirma.

Entre os impactos sentidos pelos empresários, destacam-se queda de demanda (60%) e taxas de juros (45%), que incluem desde taxas de juros altas (45%) e dificuldade de obtenção de financiamento (40%). “O problema do crédito não é exclusividade de tempos de crise. As micro e pequenas empresas possuem dificuldades de oferecer garantias e apresentar todos os documentos exigidos na hora de recorrer a um financiamento”, explica Tortorella.

O aumento no preço dos importados e a redução dos prazos de pagamento também foram citados pelos empresários (33% e 24%, respectivamente). Por outro lado, apenas 2% dos entrevistados apontaram aumento da inadimplência dos clientes, demissões, queda dos lucros e das exportações como reflexos da crise mundial em seus negócios.

Por região

Por região, os donos de empresas no Sudeste e no Centro-Oeste disseram ter sido mais atingidos pelos efeitos da crise econômica com 64%. “São regiões com concentração de indústria e de agronegócio voltado para exportação, que sofreram mais com a queda do nível de atividade e do consumo no exterior”, complementa Tortorella.

Por estado, Goiás foi o com maior índice de empresas afetadas: 72% dos empresários foram ou estão sendo atingidos pelos reflexos da crise. Na outra ponta, com menor índice de prejuízo aparece Santa Catarina.

Enquanto a Região Sudeste (62%) foi a mais atingida por conta da queda de demanda, no Sul o impacto foi menor (57%). Em compensação, os empresários do Nordeste foram os que mais reclamaram do acesso ao crédito (43%).

Por setor

Por setor, a indústria foi o setor com maior proporção de empresas atingidas pela crise econômica mundial, com 67%, seguida pelo comércio e serviços (66% e 56%, respectivamente). “A crise financeira internacional afetou com mais intensidade as atividades industriais por serem mais dependentes das exportações e dos empréstimos bancários, seja para financiar capital de giro ou para alavancar suas vendas junto ao mercado”, explica Marco Aurélio Bedê, consultor do Sebrae/SP.

Na indústria, os segmentos mais afetados foram os de bens de consumo duráveis (máquinas e aparelhos elétricos) e bens de capital (máquinas e equipamentos). “Em momentos de incerteza econômica, essas indústrias costumam ser as mais atingidas porque estão atreladas a duas variáveis: produto com alto valor unitário e concessão de crédito para vender. É o caso, por exemplo, de uma pequena indústria que produz móveis e que vende uma estante por R$ 1,5 mil (valor unitário alto) por meio de crediário”, ressalta o consultor.

A queda de demanda também foi sentida nas atividades comerciais. “No comércio, além do aspecto do crédito mais caro e difícil, pesou a maior incerteza e o efeito psicológico sobre os consumidores, que reduziram ou postergaram suas compras de longo prazo”, observa Marco Aurélio Bedê.

Expectativa

Mesmo após nove meses do início da crise mundial, 42% dos donos de micro e pequenas empresas afirmam que não houve melhora na oferta de recursos bancários para empréstimos. Outros 30% consideram que a oferta de crédito melhorou, enquanto 28% não soube dizer.

Os empresários do Norte são ao mais pessimistas em relação à melhora na oferta de recursos: 45% afirmam que não houve melhora de oferta de crédito contra 37% da Região Sul. Por outro lado, as MPE do Centro-Oeste sentiram que houve aumento mais recursos disponíveis no mercado (34%).

Para os próximos seis, a maioria dos empresários trabalha com cenário realista, com destaque para a previsão otimista de aumento do faturamento (46% do total). Em relação ao número de funcionários, 67% manterá o quadro atual e apenas 8% pretendem demitir. “A boa notícia é que o Brasil faz parte do mundo globalizado. Além disso, o empreendedor brasileiro é persistente, ousado e disposto a correr risco. Isso tudo pesa muito em momento de crise”, finaliza Tortorella.

 

 

VAGNER FERNANDES DAVID  Pride Commerce  |  www.pridecommerce.com  |   11 9766-8986  |  18 9781-2575 |  18 8806-8356

 

 

0 Comentario "Crise financeira internacional atinge 63% das MPE brasileiras"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.