Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Empresários querem aumentar investimento brasileiro em inovação

3º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria terá manifesto pelo aumento dos investimentos, públicos e privados, em pesquisa e desenvolvimento

Brasília – Metade de tudo o que se investe em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) no Brasil vem do setor privado: em 2007, as empresas aplicaram R$ 17,5 bilhões em inovação. Desse total, 76,6% (R$ 13,4 bilhões) saíram diretamente do caixa das empresas e 23,4% (R$ 4,1 bilhões) tiveram apoio governamental, seja por meio de incentivos fiscais, seja por subvenção econômica.

No entanto, ainda se investe pouco em inovação no País: 1% do Produto Nacional Bruto (PNB), entre gasto público e privado, ante 3,17% no Japão e 2,61% nos Estados Unidos. Para aumentar esses investimentos e possibilitar maior competitividade internacional ao produto brasileiro é que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) criou a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), formada pelas mais importantes lideranças industriais do País, que se reunirão em São Paulo, na próxima quarta-feira (19/08), para o 3º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria.

Durante o congresso, a CNI e os empresários da MEI divulgarão um manifesto em que se empenharão no esforço de inovar. “É um compromisso do setor em assumir a importância da inovação e o protagonismo privado na agenda brasileira de inovação, com uma meta clara de mobilização empresarial”, antecipa o diretor de operações da CNI, Rafael Lucchesi.

Enquanto o Brasil investiu 1% do PNB em Pesquisa e Desenvolvimento em 2006, de acordo com os últimos dados disponíveis no Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) e compilados pela CNI, economias emergentes que disputam mercado com o Brasil investiram mais: a China investiu 1,36% do PNB e a Rússia, 1,38%.

Mas aumentar os investimentos em P&D de modo a alcançar os percentuais investidos pelas principais economias do mundo só será possível, segundo Lucchesi, se houver integração entre o Poder Público e as empresas. “O segundo objetivo da Mobilização Empresarial pela Inovação é um esforço de coordenação das ações entre os setores público e privado para o desenvolvimento da inovação no Brasil”, resume.

O diretor da CNI ressalta que tanto a MEI quanto o 3º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria estão tendo colaboração do governo. “O ministro Sérgio Rezende, da Ciência e Tecnologia, e o presidente Luciano Coutinho, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), têm trabalhado conosco”, conta Rafael Lucchesi. Rezende e Coutinho, assim como Ivan Ramalho, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, participarão do Congresso.

Essa parceria é necessária porque uma parte do empresariado, notadamente os de micro e pequeno portes, investe em P&D a partir de incentivos fiscais ou de subvenção econômica. O total de gasto público em inovação cresceu de R$ 2,3 bilhões em 2006 para R$ 4,1 bilhões em 2007, de acordo com dados do MCT. Apesar desse crescimento, os incentivos e as subvenções representam somente 30% de tudo o que é investido em inovação no Brasil.

Congresso
O 3º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria, no próximo dia 19, terá a participação de 600 empresários do setor. Entre eles, Adilson Primo, da Siemens, Pedro Luiz Barreiros Passos, da Natura, Pedro Wongtchowski, do Grupo UItra, José Wilmar de Mello Justo Filho, da Thyssenkrupp, Pedro Suarez, da Dow, Ricardo Pelegrini, da IBM, Rolf-Dieter Acker, da Basf, e Wilson Ferreira Júnior, da CPFL. Também estarão presentes Jorge Gerdau Johanpetter, do Grupo Gerdau, Cledorvino Belini, da Fiat, e Michel Vale, da 3M, e Luiz Fernando Furlan, da Sadia.

A Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) promoveu 15 encontros com cerca de 100 grandes empresas industriais brasileiras em 2009, que também tiveram a participação de representantes dos diversos setores industriais e de membros do governo. O congresso de quarta-feira é o ponto alto, neste ano, dessa mobilização.

O evento, que será realizado no World Trade Center, na zona sul de São Paulo, contará com a participação de especialistas internacionais em inovação. O inglês Rowan Gibson, executivo de estratégia que fez carreira em empresas como General Eletric e Procter & Gamble, falará sobre o tema “Inovação – repensando o futuro”.

O francês Jean Guinet, especialista em inovação da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), e o brasileiro César Vohringer, que foi executivo da área de inovação de empresas como Philips e Telefônica, participarão do painel “Iniciativas de inovação no Brasil e no mundo”. Em seguida, a norte-americana Nancy Tennant, vice-presidente corporativa de competências de liderança e estratégia da gigante Whirpool Corporation (dona no Brasil das marcas Cônsul e Brastemp), falará sobre casos de sucesso em inovação.

 

 

VAGNER FERNANDES DAVID  Pride Commerce  |  www.pridecommerce.com  |   11 9766-8986  |  18 9781-2575 |  18 8806-8356

 

0 Comentario "Empresários querem aumentar investimento brasileiro em inovação"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.