Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Como ligar os pontos para uma gestão financeira + estratégica?

Saiba examinar o balanço e a demonstração de resultados para extrair desses documentos os indicativos da saúde da empresa, que ajudam a embasar suas decisões

por Thiago Cid
Editora Globo 
R: Os documentos que representam as transações, a estrutura patrimonial e financeira e os resultados de uma empresa são muitas vezes deixados apenas nas mãos do contador ou do diretor financeiro. Nada mais equivocado. “A contabilidade é uma linguagem de negócios e a sua primeira utilidade deve ser na gestão”, diz Tânia Relvas, professora da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi). “Essa linguagem é capaz de mostrar ao administrador as necessidades, as deficiências e os pontos fortes do seu negócio.”

Isso não quer dizer que o empresário deva cuidar pessoalmente da contabilidade da sua empresa. Mas saber ler os principais demonstrativos permite extrair deles indicativos que ajudem a embasar decisões de negócios. Essa é uma tarefa do empreendedor — e diferente das leituras que o contador ou o diretor financeiro podem fazer dos mesmos documentos. “O contador se importa mais em reportar corretamente e em ver formas tributárias mais vantajosas. O financeiro não se importa tanto com o relato, mas com a geração de valor”, diz o professor de finanças Samy Dana, da Fundação Getulio Vargas. Para o financeiro, um negócio só se justifica quando consiste em um investimento mais atraente do que outras opções, como aplicações financeiras. Cabe ao empreendedor somar essas duas visões distintas a uma terceira, que é a mais importante: a visão do negócio, própria do fundador. Desse modo, poderá fazer uso das informações contábeis de forma estratégica.

O uso dos demonstrativos como ferramenta para o empreendedor é mais eficiente quando se comparam os resultados de diferentes momentos da trajetória da empresa. Observar o histórico permite detectar tendências e estabelecer parâmetros para fazer projeções do fluxo de caixa, por exemplo. A partir dos dados é possível também calcular índices de lucratividade e retorno, entre outros, que dão uma medida importante da saúde do negócio.

Nesta reportagem, você verá modelos sintéticos do balanço patrimonial e da Demonstração de Resultados do Exercício (DRE). O primeiro aponta se, ao final de um período de 12 meses, uma empresa ganhou ou perdeu patrimônio. O segundo apresenta detalhes como a estrutura de custos e despesas, entre outros, que permitem entender melhor como a empresa chegou ao resultado do período. O formato de cada documento pode incluir mais ou menos linhas, dependendo do modelo utilizado pelo contador.

A reportagem usou como exemplo números da LaserTools, empresa especializada em gravações a laser em materiais industriais, médico-hospitalares e aeroespaciais, com sede em São Paulo. Fundada por Spero Morato, 67 anos, fatura R$ 2 milhões por ano e tem uma gestão financeira conservadora, que utiliza apenas recursos próprios. Morato, que se dedica mais à área de pesquisa e desenvolvimento, começa agora a observar com mais atenção as questões contábeis e financeiras. “Sabendo interpretar os números, posso ter uma alavancagem maior e crescer sem tantos riscos”, diz. 

Saiba examinar o balanço e a demonstração de resultados para extrair desses documentos os indicativos da saúde da empresa, que ajudam a embasar suas decisões

por Thiago Cid
RETRATO DO PATRIMÔNIO
O balanço mostra em um quadro sucinto se a empresa ganhou ou perdeu patrimônio ao final de um exercício fiscal, geralmente no período de um ano

ATIVO
Revela onde foram aplicados os recursos. São todos os valores, bens e direitos que a empresa tem ou vai receber, em ordem decrescente de liquidez (no alto aparecem os que são ou podem virar dinheiro mais rapidamente).

ATIVO CIRCULANTE
Dinheiro e recursos que podem ser acessados em até um ano após o exercício fiscal. Soma o caixa, contas bancárias, estoques, ações, títulos. É usado para medir indicadores de liquidez, que mostram a capacidade da empresa de pagar suas contas em dia.
Liquidez corrente = ativo circulante ÷ passivo circulante
Liquidez seca = (ativo circulante – estoques) ÷ passivo circulante

ATIVO NÃO-CIRCULANTE
Bens duradouros e direitos que podem ser realizados (virar dinheiro) em prazo superior a um ano. Mostra a capacidade de honrar compromissos de longo prazo.

ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
Podem ser convertidos em dinheiro apenas em um período superior a um ano. Valores recebidos de empréstimos feitos aos sócios, acionistas ou empresas coligadas também aparecem aqui.

INVESTIMENTOS
Participações societárias em outras empresas.

IMOBILIZADO
Bens físicos como edifícios e equipamentos, além de benfeitorias realizadas em bens alugados.

INTANGÍVEIS
Bens incorpóreos, como o direito de exploração de serviço público, marcas, patentes e softwares.

PASSIVO
Deveres, dívidas e obrigações financeiras. São os recursos de terceiros colocados no negócio. Ordem decrescente de exigibilidade: no alto estão os que podem ser cobrados em curto prazo.

PASSIVO CIRCULANTE
Dívidas de curto prazo: despesas que vencem em até um ano após o balanço. Inclui pagamentos a fornecedores, empréstimos e financiamentos, folha de salário, provisões, obrigações sociais, fiscais e tributárias. Usado para medir índices de endividamento e estrutura patrimonial.
Endividamento a curto prazo = passivo circulante ÷ patrimônio líquido

PASSIVO NÃO-CIRCULANTE
Obrigações que vencem depois do período de 12 meses após a criação do balanço. Entram empréstimos, financiamentos, adiantamento a sócios e empresas coligadas e parcelas a pagar nesse prazo.

PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Diferença entre ativos e passivos, que mostra se a empresa ganhou ou perdeu patrimônio no exercício. São os recursos da empresa investidos pelos donos, também chamados de capital próprio. Quanto maior em relação ao capital de terceiros, mais sólida é a posição e mais barato é o crédito. É usado para medir índices de estrutura patrimonial.
Imobilização do capital próprio = ativo permanente ÷ patrimônio líquido
Editora Globo
 EXAME DOS RESULTADOS O documento ao lado (DRE) revela o desempenho obtido pela empresa: mostra a evolução das vendas, das receitas e despesas e das margens de rentabilidade

RECEITA OPERACIONAL BRUTA
É o faturamento. Equivale à soma de todas as vendas, sem a dedução de impostos.

DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA
Valores que devem ser descontados da receita bruta, mas não são considerados custos. Entram aqui as devoluções; os descontos incondicionais (oferecidos aos clientes sem nenhuma exigência, como pagamento à vista); e os impostos e contribuições sobre as vendas.

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
Quanto a empresa ganha com as vendas, já feitas as deduções. Deve ser capaz de pagar todos os custos e despesas e gerar margem.

CUSTO DAS VENDAS
Quantia gasta para fabricar ou comprar os produtos vendidos, ou para prestar os serviços aos clientes. Para chegar ao valor total, multiplica-se o custo do produto ou serviço pelo número de vezes que foi vendido. O pagamento da mão de obra diretamente ligada à produção deve entrar nesta rubrica.

RESULTADO OPERACIONAL BRUTO OU LUCRO BRUTO
Quanto a empresa ganha em suas operações, sem contar despesas administrativas. Equivale à receita operacional líquida menos o custo das vendas. A diferença mostra se a empresa está vendendo seus produtos por um valor superior ao preço pelo qual foram adquiridos. Usado para calcular a margem bruta de lucratividade.
Margem bruta = lucro bruto / receita operacional líquida

DESPESAS OPERACIONAIS
Gastos feitos para realizar as vendas: comissão de vendedores, fretes, passagens, publicidade.

DESPESAS ADMINISTRATIVAS
Quantias gastas para manter as atividades gerais da empresa, como pagamento da folha de salário (das funções não diretamente ligadas à produção e à prestação de serviços), contas, material de escritório, aluguel, impostos.

LUCRO OPERACIONAL
Resultado antes das deduções de impostos e amortizações. Representa o ganho resultante apenas da operação. Usado para medir margem operacional e lucratividade das vendas.
Margem operacional = lucro operacional/ receita operacional líquida
Lucratividade das vendas = lucro operacional/ vendas

DESPESAS FINANCEIRAS
Remunerações pagas pelo uso do capital de terceiros: empréstimos, juros pagos aos fornecedores, descontos condicionais aos clientes, comissões bancárias.

RECEITAS FINANCEIRAS
Ganhos com aplicações financeiras, como dividendos de outras empresas e juros. Devem ser subtraídas das despesas financeiras. Se o resultado for positivo, deve ser deduzido das despesas operacionais.

IMPOSTOS
Aqui são deduzidos os tributos que incidem sobre o resultado: Imposto de Renda e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).

LUCRO LÍQUIDO
É o que sobra após o pagamento de todas as obrigações. Pode ser usado para remunerar o investimento feito na empresa ou aumentar o patrimônio. É usado como base para o cálculo dos impostos sobre os lucros e para determinar indicadores de retorno do investimento.
Margem líquida = lucro líquido ÷ receita operacional líquida
Retorno do investimento = lucro líquido ÷ patrimônio líquido
Retorno do investimento total = lucro líquido ÷ ativo total

Editora Globo


0 Comentario "Como ligar os pontos para uma gestão financeira + estratégica?"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.