Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Executivos do Google, Natura, Buscapé e 3M contam como incentivam a inovação

Descubra os segredos de quatro empresas que têm na criatividade um dos principais ativos




"As empresas brasileiras precisam copiar menos e criar mais", diz especialista
Atualizado às 11h50, de 23 de janeiro.
A papelaria do escritório nunca mais foi a mesma depois que Art Fry e a 3M lançaram o primeiro lote de seu Post-it no mercado dos Estados Unidos. Já a internet ficou muito mais organizada no dia em que entrou em operação o sistema de buscas de informações do Google. Separadas por quase três décadas, essas invenções têm muitas coisas em comum. Para começar, ambas revolucionaram o mercado em suas respectivas épocas. E, por fim, foram concebidas por empresas que conquistaram o mundo ao instigarem a cultura da inovação como um DNA corporativo.



"Mais do que um processo, a inovação é uma cultura que faz parte direta e indiretamente da estrutura das grandes empresas", afirma Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo do Insper e blogueiro do Estadão PME. Ele chama a atenção para a necessidade do pequeno e médio empreendedor também seguir esses passos. "As empresas brasileiras precisam copiar menos e criar mais", destaca.

Para auxiliar o pequeno empresário nessa tarefa, reunimos abaixo como executivos de Google, 3M, Natura e Buscapé tratam da inovação em suas empresas.

:::3M:::
Com 111 anos de história, a 3M mantém um histórico de inovações que hoje é divulgado como marca da empresa pelo mundo afora. No entanto, segundo Luiz Serafim, gerente de marketing corporativo da empresa e autor do livro "O Poder da Inovação" (editora Saraiva), a companhia não dispõe de um departamento de inovação.

"Tem a área de produto, que está muito associada ao desenvolvimento do produto. Mas a ideia é que todo funcionário que chega na empresa, já na integração, seja bombardeado de informações e vá entendendo que a perpetuação da inovação na 3M é responsabilidade de cada um", afirma.

"Há anos, somos avaliados por inovação. E (inovação) não é produto novo. A questão é: que melhoria, que processo você fez para dar mais suporte às áreas de negócio? O nosso espírito é o de descentralização da inovação", diz Luiz Serafim.

:::Buscapé:::
A empresa fundada na década de 1990 em São Paulo tem, segundo Ayrton Aguiar, vice-presidente de fusões e aquisições da companhia, a "missão de procurar empresas e ideias de produtos para engrossar o portfólio da companhia tanto dentro quanto fora da empresa". Também não existe uma área de inovação no Buscapé. A empresa, no entanto, promove concursos internos para que os funcionários apresentem suas ideias.

"Em 2012 fizemos essa competição e tivemos três ganhadores. Eles vão receber o apoio da empresa, não necessariamente com capital. Mas vamos na mídia, vamos apresentá-los para outros investidores-anjo", conta Aguiar.

:::Google:::
A gigante fundada por Larry Page e Sergey Brin (também chamados de Google Guys) dá aos seus engenheiros 20% do tempo para que possam trabalhar em projetos pessoais. A empresa também busca motivar as pessoas com a cultura de inovação do negócio.

"No nosso caso, se tivéssemos uma área de inovação, alguém controlando o fluxo, seríamos menos inovadores. Primeiro porque pensar é a parte mais fácil da inovação. O duro é executar. A inovação tem de ser estimulada, tem de sair um pouco do controle. Depois, claro, a gente controla. Mas no momento inicial, as ideias mais loucas possíveis, as mais selvagens precisam de espaço. No momento da análise, daremos a elas a chance de se provarem", afirma Alessandro Germano, gerente de desenvolvimento de novos negócios do Google.

:::Natura::: 
A Natura, por sua vez, trata a inovação de maneira distinta em comparação aos integrantes desta lista. Para começar, a empresa tem um departamento com 500 funcionários dedicados ao assunto.

"Um dos pontos centrais do nosso negócio é inovar, principalmente em pontos ligados às paixões da empresa, que são os produtos e as relações. Eu acho que a gente não tem pensadores de inovação. Temos um número grande de informação e pessoas que trazem sua paixão para criar", destaca Victor Fernandes, diretor da área de ciência e tecnologia da Natura.

"Elas começam a imaginar coisas novas e trazem isso como uma possibilidade para a empresa executar", conta Victor Fernandes.

Curso. De olho na carência de inovação entre os pequenos negócios, a Endeavor, Ong dedicada ao fomento do empreendedorismo em paises emergentes, lançou um projeto para selecionar executivos e empresários para um programa que mescla mentoria, aulas teóricas e visitas em universidades e grandes corporações ao longo de sete meses deste ano.

Chamado Endeavor Innovation Program (EIP), serão selecionadas 60 empresas que apresentem faturamento anual entre R$ 10 milhões e R$ 200 milhões. Parte do programa será realizado no Brasil e outra parte, nos Estados Unidos, em duas viagens: uma para a universidade de Havard, em Boston, e outra para Stanford, na Califórnia.

Cerca de 80% do programa será subsidiado pelo FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) e pelo Ministério da Ciência e da Tecnologia. O restante, US$ 4,9 mil (cerca de R$ 10 mil), deve ser custeado pela empresa.

Informações sobre o programa podem ser obtidas pelo email: innovationprogram@endeavor.org.br


0 Comentario "Executivos do Google, Natura, Buscapé e 3M contam como incentivam a inovação"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.