Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Vídeo mostra o perigo de promover uma fanpage


O apresentador australiano Derek Muller, criador do canal no YouTube Veritasium, publicou um vídeo nesta segunda-feira (10) em que demonstra como a promoção paga de uma página no Facebook pode resultar em milhares de cliques inúteis, sem engajamento algum.
Muller argumenta da seguinte maneira: há duas formas de comprar likes, uma é ilegal, acessando sites como Boostlikes.com, e outra é legal, promovendo sua fanpage para alcançar mais usuários utilizando a própria publicidade do Facebook.

O problema levantado pelo australiano é que mesmo pagando a forma "legal", você terá os mesmos cliques provenientes da opção "ilegal", e estes cliques são inúteis, são usuários que estão nas chamadas click farms, lugares geralmente localizados em países em desenvolvimento como Índia e Nepal e que são pagos para darem like.
Mas se eles trabalham para sites como Boostlikes, como eles também entram na conta das curtidas legítimas? Simples, como estes usuários precisam passar uma imagem de um usuário normal para o algorítimo que detecta fraude no Facebook, eles curtem tudo. E isso faz com que eles curtam as páginas que pagaram ao Facebook para conseguirem likes. 
"Eu nunca comprei likes falsos, eu usei a publicidade legítima do Facebook, mas os resultados são como se eu tivesse comprado likes de uma click farm", diz Derek após exibir um gráfico que demonstra como a maior parte de seus likes são de países com engajamento abaixo de 1%.
Mas e se você direcionar a promoção e esquecer estes países que são celeiros de click farms? Pensando nisso, Derek criou uma fanpage esta semana e colocou na descrição que apenas um idiota poderia curtir a página. Após pagar US$ 25 dólares para promovê-la e direcionar para países como Estados Unidos e Austrália, ele conseguiu mais de 200 likes. Sim, a maioria dos perfis veio dos países para os quais ele direcionou a promoção. Porém, entrando no perfil dos usuários, Derek descobriu que eles curtiam centenas, às vezes milhares de páginas.
Outra vez, a promoção fisgou funcionários de click farms que tinham de clicar em tudo para parecerem mais legítimos aos olhos do Facebook. Tanto que numa postagem teste, a tal página alcançou apenas 8 usuários dos mais de 200. Engajamento 0.
E como o Facebook pode resolver isso? Promovendo um crivo mais eficiente para eliminar os perfis falsos. Mas mesmo assim, tal ação pode causar certa indisposição com os usuários que pagaram e agora vão perder likes. O ideal seria substituir fãs inúteis por engajados. Mas se o Facebook não consegue eliminar os "clicadores", talvez seja demais pedir para que ele troque os likes provenientes das click farms por legítimos. E daí que entra o trabalho da marca para criar engajamento orgânico. Pode ser o caminho mais lento para conseguir fãs, mas pelo menos eles serão reais.
Veja o vídeo e opine nos comentários. Você concorda com Derek? (ainda não há legendas em português, apenas em inglês):



0 Comentario "Vídeo mostra o perigo de promover uma fanpage"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.