Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Vale a pena formalizar a sua loja virtual?

Vale a pena formalizar a sua loja virtual?
Todo empreendedor busca algum tipo de independência; e no e-commerce o sonho de “ser seu próprio chefe” se realiza todos os dias. Muitos começam devagar, sem abandonar seus empregos, mas esperando para se dedicar exclusivamente a loja virtual. E quando chega o momento, surge a dúvida: devo formalizar minha loja?
O lojista que aposta no crescimento do e-commerce deve ter um CNPJ. Este é o primeiro passo para organizar a empresa, pois o registro formal abre portas para diversos serviços como conta bancária empresarial, acesso a financiamentos, contratos com transportadoras e outros fornecedores, sem contar a garantia de todos os direitos e benefícios legais.

Qual caminho seguir?
blog-2
Para quem fatura até R$ 60 mil por ano, o ideal é optar pelo registro MEI – Micro Empreendedor Individual. O processo de cadastro é realizado gratuitamente pela internet. Mensalmente, o MEI paga uma guia de impostos com valor fixo em torno de 45 Reais, independente de quantas notas fiscais emita. Esta modalidade é isenta de tributos federais como Imposto de Renda, PIS, COFINS, IPI e CSLL.
O cadastro no MEI formaliza o lojista como empresário, com todos os benefícios assegurados pela previdência: auxílio doença, aposentadoria por idade, salário maternidade, pensão e auxílio reclusão. É importante lembrar que nesta categoria não é permitido ter um sócio, mas é possível contratar um funcionário com valores diferenciados para pagamento dos tributos: 3% de previdência e 8% de FGTS do salário mínimo por mês.
O MEI também pode solicitar um alvará de funcionamento para a empresa – necessário mesmo para quem trabalha de casa – e não precisa de contador. Ainda assim, o governo oferece assessoria contábil por um ano para os microempreendedores. Esse serviço é presencial e oferecido em todo o País.

O MEI não tem atividade relacionada a e-commerce
blog-3
Uma das grandes dúvidas dos lojistas é que ao buscar o MEI como solução para a formalização, não encontram exatamente a atividade exercida como e-commerce ou varejo online – comércio eletrônico. Entretanto, o lojista exerce o papel de comerciante, portanto pode ser formalizado desta forma de acordo com o produto que vende. Por exemplo: Comerciante de artigos de vestuário e acessórios, para os lojistas que trabalham com roupas e acessórios.

Cresci, e agora?
blog-4
Quando a loja passa a faturar mais de R$ 60 mil no ano, o próximo passo é aderir ao regime Simples ME (microempresa). Este modelo permite que o empreendedor tenha um sócio, mas aumentam os custos, pois torna-se necessário um contador para formalizar não apenas a empresa, mas o contrato social, nome fantasia, inscrição municipal e estadual, alvará de funcionamento e registro no sindicato que é obrigatório.

De qualquer forma, o CNPJ só traz benefícios. O consumidor dá credibilidade à loja, pois entende que há respeito pelas leis, e logicamente, pelos clientes também.

0 Comentario "Vale a pena formalizar a sua loja virtual?"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.