Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Transformando a economia com realidade virtual?

 

Quando falamos em realidade virtual, ainda há uma percepção de que as soluções são focadas apenas em entretenimento. O ambiente virtual é, comumente, associado a videogames ou à criação de realidades paralelas para diversão. Não é à toa: o termo foi criado em 1938 pelo dramaturgo francês Antonin Artaud para se referir à ilusão criada por uma representação teatral, que idealmente deveria se confundir com a realidade. O que nos escapa é que a realidade virtual, ou VR, é aplicável aos mais diversos ambientes.

Tecnologia deixou de ser conceito futurista. Todos os mercados devem estar atentos aos novos usos dos espaços virtuais e adaptar seus modelos a usuários cada vez mais equipados

O conceito, que existe desde o começo do século passado, tem evoluído exponencialmente a cada ano. Equipamentos que antes eram inacessíveis, complicados e restritos estão mais acessíveis e compactos. É possível ter um dispositivo imersivo na sala de casa, conectado a um laptop ou videogame. Com uma experiência cada vez mais completa e sensorial, a VR abre-se a amplas possibilidades de uso, como atividades de escritório, para a educação e muitas outras.

Hoje, já é comum o treinamento de equipes militares usando realidade virtual, para desenvolver capacidades técnicas e de tomada de decisão. Lições de aviação também são ministradas por meio da simulação das condições de voo e pilotagem. Na área médica, o ambiente virtual permite desenvolver essas competências aplicadas a cirurgias.

Desenvolvedores de sistemas e programadores devem acompanhar esse movimento, preparando suas aplicações para o ambiente de realidade virtual. Fabricantes de aparelhos eletrônicos, máquinas e computadores devem se adaptar para receber a VR e, assim, permanecer em relevância no mercado. Já é possível ver essa mudança, com as maiores empresas de tecnologia lançando aparelhos com tecnologia nativa.

Podemos dizer que, em um futuro próximo, setores como o varejo poderão empregar o modelo VR na promoção de produtos e simulações de uso. Aplicada ao e-commerce, a tecnologia poderia entregar uma experiência completa e financeiramente viável ao permitir que o cliente simule o uso do produto a partir de seu próprio dispositivo. À indústria, a tecnologia permitiria a simulação de processos, permitindo aperfeiçoá-los sem gerar perdas.
Porém, para que isso se torne realidade, os setores mais tradicionais devem estar preparados para receber o novo modo de aproveitamento de tecnologias. A VR não se limita a entreter, mas pode também facilitar a vida diária e diversas etapas da cadeia econômica.

Realidade virtual deixou de ser um conceito futurista e, hoje, se mostra como o próximo passo da tecnologia. O setor não é o único interessado nesse processo: todos os nichos da economia devem estar atentos aos novos modelos de uso dos espaços virtuais e adaptar seus modelos a usuários cada vez mais equipados. É preciso entender que a mudança já está em curso e é necessário agir aqui e agora para aproveitá-la. Com o rápido desenvolvimento da realidade virtual, em breve, quem não estiver adaptado a ela poderá ficar para trás.

Leia mais Pridecommerce

*Luiz André Sakuma é gerente sênior de produtos da Lenovo Brasil

0 Comentario "Transformando a economia com realidade virtual?"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.