Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Incubadoras, instituições de ciência e tecnologia, consultorias e cursos do Sebrae são ferramentas que auxiliam empresas a se atualizarem

Experiência de empresário mostra caminhos para a inovação


por Agência Sebrae




Ter uma idéia e transformá-la em negócio inovador é um desafio grande para empreendedores. Muitos se perguntam: o que fazer para alcançar a tão sonhada inovação? A trajetória do empresário de São Paulo Mervyn Lowe indica o caminho das pedras para alcançar o sucesso.

Ele começou a trabalhar no projeto de um negócio próprio no ano de 2003, após sair de uma grande empresa que havia falido. “Acabei encontrando o meu atual sócio que tinha um projeto de pesquisa fantástico para apoio educacional”, conta. A idéia era desenvolver softwares educativos e interativos de alta resolução gráfica com foco nas disciplinas de Biologia, Geografia e Química.

Em 2004, na primeira reunião com um cliente, eles conseguiram vender o projeto, antes mesmo de formar a empresa. Após a conclusão desse primeiro projeto, a empresa P3D Tecnologia da Imagem, já aberta, foi selecionada pelo Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec) ligado à Universidade de São Paulo (USP).

Após a seleção, eles tiveram o primeiro desafio: precisavam de capital para entrar na incubadora. “Ficamos sabendo que o projeto era interessante, mas precisava de muito dinheiro para colocá-lo em prática. O problema é que, em geral, quando a empresa é muito incipiente, os fundos não costumam apoiar”, explica. A saída foi levantar o capital com conhecidos que acreditaram no projeto, especialmente por conta dele já contar com o aval do Cietec.

Conquistas

A P3D ficou incubada durante três anos e meio, sendo graduada em 2007. “Valeu muito à pena, pois a incubadora dá todo o respaldo para a empresa estruturar o negócio. Geralmente falta ao empresário o conhecimento de administração e de gestão e isso pode ser adquirido em incubadoras”, destaca.

Porém, sair da incubadora é outro desafio para as empresas. Mervyn destaca que um dos pontos a considerar é que naquele ambiente alguns custos estavam incluídos na estrutura da instituição incubadora, como limpeza, segurança e espaço para reuniões. “Foi um choque quando sai e tive que gastar com essas coisas que são importantes para a empresa funcionar, mas não estão no foco de atuação dela. A incubadora prepara o empresário a andar com as próprias pernas, mas é preciso correr atrás para crescer como empresário”, conta.

Atualmente, a P3D emprega 20 pessoas e seus softwares estão presentes em 200 escolas no Brasil. Esse material educacional já tem tradução em oito idiomas atendendo a cerca de 20 países. Mervyn ressalta também que nessa caminhada a empresa contou com o respaldo de organismos de fomento como Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Contou também com o apoio do Sebrae em São Paulo e de consultorias e treinamento de professores da USP e técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

Após tantas conquistas Mervyn dá o recado aos empresários. “Ter o apoio de uma incubadora é um excelente caminho, especialmente porque essas instituições dão respaldo ao projeto, o que facilita a obtenção de financiamento. Também é importante trocar experiências com outros empresários e sempre ver uma oportunidade em tudo o que aparecer”, diz.

Caminhos

Para os empresários que quiserem seguir o exemplo da P3D, é importante saber que existem diversas ferramentas de apoio à inovação. Para isso, o empresário precisa ter foco e buscar informações complementares de mercado e de gestão. Deve verificar se pode realizar o seu projeto sozinho ou se é necessário o apoio de técnicos e instituições parceiras. Precisa medir o risco da inovação e fazer todo o planejamento técnico-financeiro para saber quanto irá investir, quando irá lançar e o tempo de retorno dessa inovação.

O gerente de Inovação do Sebrae, Edson Fermann, destaca também que as micro e pequenas empresas devem optar, primeiramente, por inovações de baixo custo. “As inovações organizacionais e as de marketing, por exemplo, são as primeiras que devem ser buscadas por esse segmento uma vez que o risco e os custos são baixos e o tempo de retorno é quase imediato”, explica. “Dessa maneira, além de se manter competitiva a empresa poderá aumentar os recursos próprios para buscar e bancar uma inovação radical, fazendo algo totalmente novo, principalmente em produto e processo”, completa.

Outra dica para os empresários é buscar interação com fontes de conhecimento, como Sebrae, universidades, instituições de pesquisa, incubadoras e arranjos produtivos locais. Também é importante interagir com instituições de fomento e apoio à inovação como Ministério da Ciência e Tecnologia, Ministério do Desenvolvimento (Mdic), Finep, Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), Movimento Brasil Competitivo e Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica.

Apoio do Sebrae
Para sensibilizar e mobilizar os empresários para a necessidade de inovar em seus negócios, o Sebrae está realizando em todo o País, nas capitais e nas cidades do interior, 300 workshops. A Instituição também distribui cartilhas sobre o assunto para empresários que participam de projetos do Sebrae. Neste mês de maio começou a ser veiculado programa de rádio com a temática da inovação. Com 120 episódios, é divulgado por 850 emissoras. Além disso, 5 mil empresários serão capacitados em cursos de gestão e estratégias de inovação. Em 2010 serão mais 10 mil empresários.

O Sebrae investe ainda no desenvolvimento do projeto Agentes Locais de Inovação. A idéia é levar soluções inovadoras para dentro das empresas por meio de agentes, que são pessoas com até três anos de formadas e capacitadas pelo Sebrae. O projeto está no Distrito Federal e em 17 estados do País (Paraná, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe, Acre, Amazonas, Amapá, Rondônia, Roraima, Tocantins e Pará).

VAGNER FERNANDES DAVID | Pride Commerce | www.pridecommerce.com | 11 9766-8986 | 18 9781-2575 | 18 8806-8356

0 Comentario "Incubadoras, instituições de ciência e tecnologia, consultorias e cursos do Sebrae são ferramentas que auxiliam empresas a se atualizarem"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.