Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

Negócios feitos de trocas


A cultura do compartilhamento é uma velha conhecida dos internautas. Baixar músicas e filmes, disponibilizar vídeos e textos para trocas, fazer downloads e uploads são práticas comuns no universo virtual. Como ideia de negócio, o ato de compartilhar é algo relativamente novo, mas que ganha cada vez mais adeptos. Neste post, apontarei alguns exemplos de iniciativas que parecem indicar um novo caminho para os empreendedores: o do compartilhamento como forma de fazer negócio.   



As inovações de maior destaque parecem ser aquelas que têm o compartilhamento em sua essência. Nos Estados Unidos, a empresa Zipcar ganhou fama por compartilhar carros. No Brasil, em São Paulo, a Zazcar faz o mesmo. Escritórios de co-working começam a pipocar nas grandes metrópoles oferecendo um novo jeito de trabalhar. As pessoas dividem o mesmo espaço. Lado a lado, profissionais de diferentes áreas também compartilham seus saberes, colaborando uns com os outros na realização de novos negócios.
O compartilhamento ganha adeptos até no segmento de luxo. No Brasil, há empresas - como a Four Private Motorinvest - que oferecem serviços de compartilhamento de Ferraris, jatinhos e grandes iates. No grupo GTClub, por exemplo, há cinco carros disponíveis para os membros. Assim, em cada dia da semana uma pessoa fica com um veículo diferente.
O que os criadores desses empreendimentos mais querem é explorar a conexão entre as pessoas. A ideia é que o cliente consuma mais e compre menos.
Além do compartilhamento gerar boas ideias de negócios, também proporciona alternativas para viabilizar empreendimentos culturais. O crowdfunding - como lembrou Diego Reeberg em comentário ao post que fiz sobre iniciativas culturais - é um novo formato de financiamento a projetos de arte e cultura que funciona a partir da colaboração entre as pessoas. O Kickstater e o Catarse, esse último no Brasil, possibilitam que cineastas, músicos, jornalistas e outros profissionais consigam doações para os trabalhos que querem colocar em curso. Em troca, compartilham com os internautas as ideias do projeto.
No mundo digital, o compartilhamento costuma vir acompanhado de outra prática, a da colaboração. Ela está na essência do software livre, um movimento que surgiu no início dos anos 80. Nele, as ideias são livres para serem aperfeiçoadas e redistribuídas. Os programas de computador de código aberto possibilitam que muitos programadores se tornem empreendedores, já que podem criar e utilizar livremente as plataformas digitais desenvolvidas pela comunidade de software livre.
Hoje, autores de textos, fotos, músicas e vídeos compartilham suas obras em sites e blogs. Novas licenças para a reprodução e distribuição de obras - como o Creative Commons - foram criadas justamente para viabilizar essa nova forma de circulação de obras autorais.
Voltando ao início do post, apesar de terem se tornado práticas comuns no Brasil, baixar músicas, filmes e outras obras pela internet não é permitido por nossa legislação. Tal situação levou o governo e a sociedade civil a iniciarem um debate sobre a reforma da Lei do Direito Autoral. No centro da discussão, está a busca pelo equilíbrio entre garantir ao autor os direitos sobre sua obra e garantir à população o direito ao acesso à informação e ao conhecimento - acesso esse que é a base para as práticas de troca na internet.

E você, empreendedor, conhece mais caminhos desse novo mundo, feito de compartilhamento? O que acha dele?

Existe algo assim no Brasil





O consumo está evoluindo.
É a hora do consumo colaborativo, que ganha cada vez mais espaço no brasil e no mundo.
Imagine pode adquirir tudo o que você quiser sem gastar dinheiro: iniciativas pioneiras têm permitido que cada vez mais pessoas e empresas realizem transações comerciais baseadas na troca.
A troca de produtos e serviços
A troca de produtos e serviços, sem que o dinheiro mude de mãos, e uma ideia que existe há milhares de anos, antes mesmo de ser criada a própria noção de moeda. E agora, transformar algo indesejado ou sem uso em algo a ser usado é pratico e conveniente, e sempre valeu a pena.

Trocar exige confiança.
Trocar exige confiança. Exige também uma dupla coincidência de desejos: você quer o que alguém tem; alguém quer o  que você tem. E nem sempre é possível conciliar essas necessidades. Mas com a internet, as redes sociais e a tecnologia, O Permuta Digital torna tudo isso possível.
Através da atribuição de pontuação para bens e serviços, estes podem ser trocados em uma plataforma exclusiva, em um sistema de formação de pares de troca flexível e inteligente, utilizando a permuta multilateral. É simples: o seu produto vale pontos, que você pode utilizar para adquirir outros produtos oferecidos, sem a necessidade de trocar diretamente um pelo outro:

Se cadastre gratuitamente.


http://www.permutadigital.com.br/

0 Comentario "Negócios feitos de trocas"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.