Loja Virtual Grátis

Loja Virtual Grátis
Patrocinador

QUAL É O MAIS IRRITANTE JARGÃO DO MUNDO CORPORATIVO?

Schedular: Vem do termo em inglês schedule, que significa agenda. Em bom português, significa agendar um evento, reunião, etc.
Brilho no olho: Geralmente usado para descrever alguém com desempenho acima da média nas corporações, ou um funcionário muito empenhado.
Endereçar: É uma derivação aportuguesada do termo em inglês “to address”, bastante usada em situações nas quais é necessário transmitir uma mensagem.


Brainstorm: Uma técnica que tem por objetivo listar ideias que possam atacar um problema específico, mas que acabou se tornando um sinônimo para “reunião”. Também já ouvimos uma versão em português: “toró de palpites”.
Empowerment: Expressão usada ao delegar uma atividade de certa importância. É quase como dizer “Você pode fazer um pouquinho disto aqui, mas ainda sou eu quem está no comando.” E provavelmente, o “empoderado” não ganhará nem um centavo a mais por isso.
Feedback: Outra ferramenta, bastante utilizada pelo RH, para comunicar um funcionário desde um problema até um elogio. No fim das contas, virou sinônimo de “retorno”.
Quebra de paradigma: Uma das expressões preferidas, usada por 10 entre 10 executivos. De tão batida, acabou perdendo o significado, mas quer dizer alterar velhas práticas ou modelos para obter bons resultados.
Não estamos numa corrida de 100 metros e, sim,  em uma maratona:Expressão muito usada para justificar um resultado negativo e tentar manter a equipe motivada, ainda que o barco esteja afundando.
Toda crise é uma oportunidade: Mais uma frase motivacional que funciona mais como ânimo que como ferramenta para identificar boas práticas de negócios em tempos difíceis.
Do limão vamos fazer uma limonada: Praticamente uma substituta da expressão acima.

Está no nosso DNA: Uma iniciativa tão costumeira, tão amplamente adotada, que estaria incorporada ao modo de atuar da companhia.

Startar: Também usado como "dar o start". Recorrente em frases como "Vamos startar o projeto". É o bom e velho "começar" ou "dar início".

To dos: Basicamente, trata-se da lista de afazeres. Fica ainda pior quando o interlocutor diz: "Fulano, coloque isso na sua lista de to do para fazer". Se alguém traduzisse ficaria assim: "Fulano, coloque isso na sua lista de 'para fazer' para fazer." Desnecessário.

Sinergia: A origem da palavra é poética, já que ela deriva do grego "synergía", uma fusão de "sýn", cooperação, e "érgon", trabalho. Mas é facilmente substituída por trabalho em conjunto.

Briefing: Figurinha fácil nas rodas de profissionais de administração, relações públicas e publicidade, substitui o termo "relatório". Pode ser também uma reunião para passar informações e preparar a equipe. O jargão é tão usado que gerou um filhote, o "de-briefing", o qual, segundo um leitor, é a checagem do briefing.

Bypassar: Vem do termo em inglês "bypass", que significa "passar por cima de" ou "burlar". Usado para amenizar situações de trabalho na qual um colega atravessa alguém - muitas vezes o próprio chefe.

Agregar valor: Esse faz parte da série "Quem nunca?". De tão usado, já ficou batido. Para fugir da expressão, diga que o trabalho, projeto ou ação "não vai dar em nada", em vez de dizer que ele "não agrega valor".

Tropicalizar: Houve uma época em que as estratégias (de negócios, comunicação, marketing etc) saiam da matriz e eram adaptadas por cada filial, conforme o mercado local. No Brasil, talvez por sermos conhecidos como o país dos trópicos, alguém achou bonito falar "tropicalizar". Pronto, pegou.

Expertise: Por que falar "essa é nossa especialidade" se podemos parecer ainda mais "especialistas" e usar o "essa é nossa expertise"?

Attachado: Provavelmente, é herança dos programas de email em inglês, mas muita gente ainda fala "segue o arquivo 'attachado'", em vez de "anexado".

Tem mais sugestões? Mande um comentário pra gente.

0 Comentario "QUAL É O MAIS IRRITANTE JARGÃO DO MUNDO CORPORATIVO?"

link patrocinado

Saldão de Eletros

Sua loja grátis

Copyright

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo e dos textos disponíveis no site principal (http://www.pridecommerce.com), no fórum de discussões, no boletim de notícias enviado por email e em nas nossas páginas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.), seja através de mídia eletrônica, impressa ou qualquer outra forma de distribuição, mesmo citando a fonte e colocando link para o artigo original. Os infratores serão indiciados e punidos com base nas leis nº 9.610 de 19/02/1998 (Brasil), Digital Millenium Copyright Act (DMCA) (EUA) e diretiva 2001/29/EC (União Européia).



Não nos responsabilizamos por danos materiais e/ou morais de qualquer espécie promovidos pelo uso das informações contidas em nosso site, em nosso fórum de discussões, nosso boletim de notícias ou em publicações feitas em redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube etc.).



Opiniões emitidas por usuários e moderadores não necessariamente refletem a opinião da Pride Commerce e de sua direção.